Você assistiu à Quarta Revolução acontecer - e achou que era mentira

Milhões de pessoas viram – incluindo você e eu – o que seria a Próxima Revolução, mas na época achamos que seria impossível…

De: Maurício Benvenutti

Diretamente de: San Francisco, California – Vale do Silício

Caro leitor,

Em nosso primeiro encontro lembrei de como foi impactante para mim, um empresário de 34 anos na época, perceber o quão desatualizado eu estava com relação ao mundo e sobre essa nova geração de empreendedores jovens que vêm aí…

E o que ainda faz depois de 60 anos o Vale do Silício o lugar mais fascinante que eu conheço.

No final, ainda contei rapidamente 3 características-chave que considero essenciais para as coisas darem certo aqui, e começarem a dar certo por aí no Brasil também.

Agora te contarei o que acredito ser – sem a menor sombra de dúvidas – a Quarta Revolução Industrial e como ela impactará:

a sua vida;

os seus estudos;

a empresa onde você trabalha;

a educação que você dará ao seu filho ou neto;

Absolutamente tudo será impactado em maior ou menor grau por ela.

E o mais incrível disso tudo: tanto eu quanto você vimos essa revolução acontecer por aí… só não nos demos conta disso.

Acho que tentar explicar com palavras é meio complexo, então vou te mostrar algumas imagens nas quais você entenderá sobre o que estou falando 👇:

Apesar da diferença da primeira (Jetsons) para a terceira imagem (Ultron, dos Vingadores) ser de pelo menos 53 anos…

É nítido que todas têm algo em comum: a robótica e a inteligência artificial por trás dela.

Na minha visão, a Inteligência Artificial é uma das mais poderosas ferramentas (senão a mais poderosa) deste século.

Simplesmente porque ela passará por todas as esferas da sociedade…

Carros autônomos tornarão o trânsito mais seguro e todos os motoristas passageiros;

Assistentes virtuais irão tornar nossas vidas mais fáceis do que nunca;

Trabalhos braçais serão automatizados e mudará a rotina das empresas;

Contratações terão auxílio de big data e análise desses dados via I.A. também;

O papel da escola e da universidade serão repensadas: talvez seus netos tenham professores artificiais em casa e físicos na escola.

E estou falando apenas de alguns impactos mais diretos…

Maior talvez do que o impacto que essa tecnologia trará seja o medo e as consequências dela:

➡️ Seremos trocados por robôs?

➡️ O que acontecerá com os motoristas?

➡️ As escolas irão acabar com os professores virtuais?

➡️ Qual o papel do RH com a I.A. ajudando a contratar pessoas?

E a resposta para todas essas perguntas ainda é: ninguém sabe.

O que já podemos afirmar com clareza é que durante milênios o Homo Sapiens se adaptou muito bem às mudanças.

A Revolução Industrial não acabou com os homens do campo. A Internet não acabou com as outras mídias…

Provavelmente a Inteligência Artificial não acabará conosco também.

Mas teremos, sim, que repensar nosso papel se quisermos sair do estágio Homo Obsoletus e alcançar o nível Homo Tecnologicus sem sofrermos no meio do caminho.

A internet foi na verdade o grande “segredo” capaz de tornar essa tecnologia possível.

Antes dela houveram tentativas de reproduzir uma inteligência inteiramente artificial:

Colossus foi a criação do matemático Alan Turing para conseguir decodificar mensagens de guerras nazistas durante a II Guerra Mundial.

Essa história foi retratada recentemente nos cinemas no filme O Jogo da Imitação e interpretado pelo ator Benedict Cumberbatch, vale muito conhecer essa história.

O Teste de Turing, oriundo do matemático é a ferramenta mais usada para medir a inteligência das máquinas. Se 30% dos humanos virem as respostas da máquina e acreditarem se tratar de um ser humano… ele passou no teste.

Atualmente existem 2 tipos de inteligência artificial:

🤖 Inteligência Geral Artificial (IGA) é uma máquina capaz de realizar qualquer tarefa intelectual que um ser humano faz e até ter consciência;

🤖 Inteligência Estreita Artificial (IEA) é uma inteligência capaz de resolver problemas específicos, como aquele chatbot que te faz perguntas e com base na sua interação te dá uma solução.

Os estudiosos afirmam que a IGA é um sonho distante, enquanto a IEA é uma realidade que fará cada vez mais parte das nossas vidas com a Alexa, Siri e Google Home.

E a utilizaremos cada vez mais para realizar tarefas como pesquisar um lugar legal para comer, pagar nossas contas, buscar algum conteúdo para a gente ou nos lembrarmos de algum compromisso de última hora.

Mas antes de eu encerrar esse segundo bate-papo entre a gente, quero fazer uma provocação:

Essa pintura realista e ultra moderna se chama ‘The Butcher’s Son’ (O filho do açougueiro), e foi pintado com uso da inteligência artificial.

E uma das características mais “inimitáveis” do ser humano (a dança) já pode ser posta em xeque se você assistir à apresentação A human-robot dance duet | Huang Yi & KUKA no YouTube ou no site do TED.

Kuka é a robô com inteligência artificial que interage com o artista dançarino e sem dúvida foi um dos espetáculos mais sensíveis e impactantes que eu já tive a oportunidade de assistir.

Pintura e Dança, duas características “tão humanas” hoje em dia também são realizadas por robôs.

Será que estamos tão longe do modelo IGA de Inteligência Artificial assim?

Deixe nos comentários o que você acha sobre esse assunto: a I.A. irá levar o ser humano a outro patamar de inovação e (por que não?) evolução, ou correremos riscos se ela se desenvolver mais?

No nosso próximo e último bate-papo irei direto ao ponto: 5 coisas que o seu negócio precisa ter HOJE para não morrer amanhã…

Ainda mais com a inteligência artificial batendo à nossa porta, como se diferenciar dela e continuar relevante no seu mercado e no seu trabalho?

Nos vemos na próxima…

Deixe seu comentário: